Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso

Dependência de Comida - "Food Addiction"

A alimentação humana não serve apenas para a nutrição, mas também está ligada ao nosso mecanismo de prazer cerebral e comportamental. Estudos científicos em animais e humanos trazem crescente evidência de que o sistema de recompensa cerebral pode estar desregulado em alguns casos de pessoas obesas, com transtornos alimentares e, mais recentemente, dependência de comida (DC) – de forma similar ao cérebro de dependentes químicos.

A hipótese é de que alguns alimentos ou ingredientes adicionados podem provocar processos aditivos em pessoas suscetíveis, especialmente alimentos processados com alta concentração de gorduras ou açúcares. Como consequência algumas pessoas passam a consumir alguns tipos de alimentos de forma a perceber uma redução da própria capacidade de controle sobre o consumo; queixam-se de dificuldades de reduzir ou de parar de consumir ou permanecem consumindo apesar dos prejuízos, etc.

Critérios Diagnósticos propostos baseados no DSM 5



Principais Características da Dependência de Comida:


Tratamento

Percebendo-se a associação da dependência de comida com sobrepeso e obesidade e o ambiente obesogênico, torna-se necessário considerar estratégias de intervenção para o tratamento destes pacientes com dependência de comida: medicamentosas, nutricionais, psicoterapêuticas e em políticas públicas.
Está em andamento no IPQ-HCFMUSP grupo piloto de nutrição comportamental e psicoterapêutico para pacientes identificados com dependência de comida.



(C) 2015 AMITI - Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso - Todos os direitos reservados.